Arquivo da categoria: computação e música

Linux e o Guitarrista Pobre – Lines o’ Code

via Linux e o Guitarrista Pobre – Lines o’ Code

YEAH!!!
… but everyone can rock in Linux!

Aqui vai uma receitinha para os guitarristas que tem alguma distribuição Linux instalada nos seus computadores. Este é um pequeno guia que vai te mostrar como tirar um som maneiro com a guitarra, aplicar efeitos, corrigir imperfeições e gravar o resultado. De quebra você aprende um pouco sobre o ecossistema de aplicações de áudio avançadas do penguim além de ser tudo bem acessível monetariamente.

Você vai precisar de:

  • Uma guitarra (ou violão 🙂
  • Um cabo para ligar a guitarra na entrada de microfone (se chamam cabos P10-P2, o meu foi menos que 10 reais, mas tem pouca qualidade, já estão avisados )
  • Jack Audio Connection Kit, Jack Control, Rakarrack e Audacity

Supondo que os dois primeiros itens ficam por sua conta, vamos ver como fica o último. Eu uso o Ubuntu e vou me basear em como as coisas funcionam por aqui, mas não deve ser muito diferente nas outras distros. Primeiro instalaremos os programas, você pode ir pelo Ubuntu Software Center e achar o nome deles OU digitar isto aqui no terminal.

sudo apt-get install jackd qjackctl rakarrack audacity

O Jack é uma aplicação construída em cima do sistema Alsa para rotear entrada e saída de áudio entre diferentes aplicações. Usando ele nós vamos pegar o som que está entrando pelo microfone (chamado capture) e redirecionar para o Rakarrak, um processador de efeitos de som, uma pedaleira digital.

Jack
Interface Jack Control feita para facilitar a manipulação do Jack

Para começar, abra o Rakarrack, provavelmente ele irá te dizer algo sobre o Jack ainda não estar rodando. Precisamos fazer isso primeiro, então vamos apertar o botão Start na interface do Jack Control . Pronto, agora o Rakarrack deve abrir quando você tentar novamente. O próximo passo é fazer as conexões. Abra o Jack Control e clique em Connect, você verá algo mais ou menos assim:

connect
Interface de conexões do Jack Control

Como pode ser percebido, à esquerda temos “entradas” de som e à direita saídas. Os quadradinhos chamados system são respectivamente o seu microfone e caixas de som. Outros programas compatíveis com o Jack também aparecerão como quadradinhos ali. O que faremos é ligar a entrada de som no Rakarrack e este na saída de som, use o mouse, clique e arraste para conectar, é para ser bem intuitivo.

connect
Conexões já prontas

Depois de pronto vá até o Rakarrack e ligue os efeitos (botão FX On à direita e em cima). Se tudo correr como deveria você tem agora potencial de fazer todo o barulho que desejar! Dê uma olhada nos efeitos já prontos e customize os seus próprios, diversão garantida!

Sobre a interface do Rakarrack

Interface um pouco melhorada
A interface um pouco melhorada, tente você também 😉

Ela é incrivelmente feia e complexa, acho que eles botaram uma cor meio escrota até para emular o feeling das pedaleiras, heh… Recomendo fortemente que você de uma explorada nas configurações e mude para algo mais agradável, com o tempo você consegue deixar tudo tranquilo e acaba até se afeiçoando.

Gravando

Para gravar os resultados vamos usar um programa muito bom, o Audacity. Quando você abre ele normalmente os comandos de gravação estarão usando a entrada padrão de áudio, mas na realidade o que queremos é colocar o Rakarrack no meio disso. Para fazer esta conexão vá no menu Edit -> Preferences, selecione a aba Devices. Lá selecione o Host como o Jack e o Recording Device como Rakarrack. Pronto, agora o botão de gravação irá pegar diretamente o som da guitarra. Ainda antes de gravar você pode gerar uma pista com um metrônomo ( Generate -> Click Track ) para não se perder.

Melhorando o Áudio

Depois de gravarmos alguns riffs, podemos dar uma melhorada no som com alguns efeitos do Audacity, eles estão (se preparem) na aba Effects. É possível, amplificar o som, passar um filtro compressor, equalizar (embora seja mais aconselhavél equalizar no Rakarrack),remover o rúido e muito mais. Noise Removal é bem versátil e poderoso, além de ser uma mão na roda pra quem tem equipamentos de caráter duvidoso. Apenas selecione um trecho de gravação onde é possível só ouvir ruído e marque como Noise Profile, depois selecione todo o trecho afetado pelo ruído e passe o filtro.

Mixando e salvando

Depois de dar os retoques você pode selecionar algumas faixas e mixá-las com Tracks -> Mix and Render . Finalmente use File -> Export para salvar a faixa em algun formato de áudio.

Importante notar que o suporte a exportação de MP3 não vem por padrão, é preciso instalar o pacote lame, mais informações aqui.

No ubuntu tente:

sudo apt-get install lame libmp3lame0

Toquem até seus dedos sangrarem meus amigos!

É isso, divirtam-se!

Qualquer dúvida, problema com a instalação dos programas, adendo ou sugestão é mais que bem vindo nos comentários.

YEAH!

via Linux e o Guitarrista Pobre – Lines o’ Code.

Tutoriais de Música Livre

Dia 16/01 eu organizei no Matehackers a Oficina de Música Livre e apresentei para algumas pessoas alguns programas e técnicas que eu mesmo ando usando para produzir conteúdo sonoro no ambiente Linux. Eu já venho a algum tempo pensando em de alguma maneira apresentar estas ferramentas na forma de pequenos tutoriais e finalmente resolvi fazer isto enquanto documento o que foi apresentado na oficina.

Música Livre?

O nome da oficina é propositalmente estranho, porque afinal a música normalmente já é livre. Eu posso abrir a boca e cantar uma melodia, comprar um instrumento e aprender a tocar, ouvir uma canção e repoduzí-la eu mesmo, certo? Isso tudo é verdade, mas também é verdade que os consumidores, como somos vistos pela industria musical, cada vez mais querem se meter no papel de produtores e esse livre no título quer dizer livre para produzir as músicas que queremos.

A situação da Produção Musical no Linux

Então, supondo que queiramos produzir a nossa própria música, quão útil pode ser um sistema operacional livre? Bastante na realidade! A seleção de softwares é extensa e eles estão todos disponíveis gratuitamente e a um clique de distância usando um gerenciador de pacotes da sua distribuição favorita. Quer alguns exemplos? Para gravação, corte e edição de áudio temos o excelente Audacity. O Audacity pode ser usado também com centenas de efeitos como ecos, filtros, simulações de equipamento analógico, entre outros ; que estão disponíveis na forma de plugins, facilmente obtidos nos repositórios da sua distribuição Linux. Para trabalhar com MIDI e fazer sequenciamento de notas existe o Seq24, MuseScore, além do Hydrogen que é ótimo para escrever linhas de bateria e já vem com um grande conjunto de amostras sonoras para serem usadas. Para sintetizar sons para essas mensagens MIDI você pode usar o ZynAddSubFx, Yoshimi, QSynth, entre muitos outros… Para os guitarristas temos o simulador de amplificador valvulado Guitarix, a pedaleira virtual de efeitos Rakarrak e o TuxGuitar para visualizar e editar arquivos de tablatura (funciona com todos os formatos mais populares). Para soluções integradas de gravação, com suporte a gravação de áudio e MIDI em várias trilhas, aplicação de efeitos em tempo real e coisas assim temos diversas DAWs como o Ardour e o Qtractor (meu favorito no momento). Todos estes programas podem ser usados em conjunto por meio do kit Jack, que age como uma espécie de mesa de virtual de mixagem, onde podemos enviar áudio e MIDI entre os diferentes aplicativos.

Começando a jornada

Feita esta introdução estarei fazendo uma série de posts sobre cada uma dessas ferramentas. O primeiro é um que eu escrevi há muito tempo voltado para o uso do Rakarrack para aplicar efeitos no som de guitarra e depois disso um bem detalhado sobre o Audacity!

Vejo vocês na próxima!